(11) 4396-2343 E-mail: contato@zurichtermoplasticos.com.br

O futuro do PET e a indústria de refrigerantes

Diego Z F 31/01/2017 Nenhum comentário Industria do plástico
  • Compartilhe isso nas redes sociais:
O futuro do PET e a indústria de refrigerantes

PET

Entre os termoplásticos existentes aquele que é mais conhecido nominalmente pelo público em geral é sem dúvidas o politereftalato de etileno ou PET, sendo que essa popularização do polímero se deve especialmente ao seu uso para a produção de embalagens para refrigerantes.

Foi durante a década de 1990 que os garrafas PETs tomaram conta das prateleiras de mercados e congêneres, substituindo as embalagens de vidro e permitindo que volumes maiores da bebida passassem a ser comercializados, logo caindo nas graças dos consumidores.

O uso do PET precisa ir além das embalagens

Essa ligação do polímero com os refrigerantes não ocorre apenas na cabeça do público, mas é intrínseca: o termoplástico representa entre 80 e 85% das embalagens das bebidas carbonatadas, que possui nas mesmas seu principal mercado consumidor, muito embora já tenha demonstrado sua ampla diversidade de usos.

Dados levantados durante 2016, mostraram que a produção de refrigerantes no país foi 4,4% menor quando comparada a 2015, o que em partes pode ser explicado pela crise econômica que se abateu sobre o país. O menor poder de compras das famílias retiraria o produto não essencial das listas de supermercados.

Contudo, a indústria do plástico dedicada a produzir e transformar esse polímero deve entender que a queda significativa nas vendas de seu maior cliente é um risco real é que vai muito além das especificidades de nossa economia.

Isso porque a queda de consumo dos refrigerantes é um fenômeno global e presente em diferentes países, fruto de consumidores mais exigentes e preocupados com a saúde que enxergam nas bebidas uma fonte excessiva de açúcar e responsável por problemas como a obesidade infantil.

Além da recente rejeição conquistada, as fabricantes dos produtos têm passado a enfrentar cercos de governos que estimulados por recomendação da Organização Mundial da Saúde, tem aumentando os impostos sobre as bebidas açucaradas e colocado em prática restrições a locais de vendas como escolas, por exemplo.

Para a indústria do plástico que produz e fornecem embalagens voltadas às bebidas carbonatadas talvez esse seja o momento de começar a pensar alternativas e novos modelos de negócios de forma variar sua produção e assim amenizar o baque que a queda no consumo dos produtos de seu principal comprador tendem a causar nos próximos anos.

Ficou com dúvidas ou possui sugestões? Deixe um comentário.

Até a próxima!

Postado por: Zurich Termoplásticos | WWW.INJECAODEPLASTICOS.COM.BR

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *